terça-feira, 4 de novembro de 2008

Colocando as barbas de molho.




“Na antiguidade e na Idade Média, a barba significava honra e poder.

Ter a barba cortada por alguém representava uma grande humilhação.

Um provérbio espanhol diz que quando você vir as barbas de seu vizinho pegar fogo, ponha as suas de molho.”







Depois de quatro anos, ela ainda está lá. Frondosa e indecorosa, é nela que exibo as provas do quão estressante e apavorante foi o decorrer deste ano.


Pêlos brancos, manchas amarelas, tecos de pizza amanhecida moldam essa que é a testemunha mor da minha vida acadêmica: a barba. Agora que vai ganhar o mundo, carregando as devidas cicatrizes. Todos aqueles que já a puxaram, acariciaram, afagaram ou mesmo sentiram certa repulsa pelo arbusto de virilidade, o meu sincero obrigado.


Foram responsabilidades atrozes, correrias insanas, vontades de largar tudo e fugir pro cinema, que passaram voando em algo que pareceu quatro dias mal dormidos. Mesmo sabendo que essa não é a melhor ou mais legal faculdade, que esse não é o curso mais enriquecedor e que esse não seja o mais ilustre dos universos, valeu o que passei por aqui. Pelas pessoas que conheci, pelas várias versões da história que pude ver e, principalmente, pelo senso crítico que brotou depois de tanta abobrinha e choques de realidade.


Aos bons amigos que fugiram; aos que ficaram; aos pais que resguardaram; à namorada que agüentou; ao grupo que sofreu junto ; e, principalmente, Obrigado ESPM. Sendo essa aberração que és, é um importante exemplo de um país que trata educação como negócio e prepara os infantes para um ilusório “mercado” (que há tempos atrás era chamado de mundo, mas fizeram questão de mudar o termo pra que soasse mais vendedor).


Não é reclamação. Fiquei na faculdade por que quis, e estou satisfeito com o que aprendi. Talvez conhecimento diferente da grande maioria que tenha passado por isso.


É hora de baixar o fogo e colocá-las de molho, pelo menos até o próximo grande acontecimento.



Fernando Spuri é discípulo de Bruce Lee, Rivelino, Rosa Luxemburgo, Alan Moore e Mussum. Só acha que o lugar melhor poderia ser mais mundo, partindo sempre do contrário. E esses foram seus agradecimentos para seu trabalho de conclusão de curso.


6 comentários:

Livoca disse...

ain feeeeeeeeee
que cousa mais belezinha!

Mina disse...

Agora só resta comer os tecos de pizza, esperar a gráfica trazer o neném, e daí conquistar o mundo. Eu acredito.

Rick Levy disse...

se formou?
PARABÉNS!!!!!!

;-)))

Fernando Spuri disse...

Valeu rapaize!

Ainda falta a apresentação, mas isso será resolvido dia 5 de Dez.

Júlio disse...

A minha só deixei crescer durante o primeiro ano, afinal to mais pra Babuíno do que pro seu lado Chimpanzé (que é seu lado esquerdo e direito). Legal esse troço de comentar no seu blog a cada seis meses, você poderia me contratar pra isso agora que também me formei. Rio Branco, alguns dias sob os mesmos tetos e desânimos em nossas faculdade-wanna-be-shopping-center. Terá chegado ao fim a trajetória em comum dos nossos intrépidos heróis? Espero que não. Pero tedrás que escuchar un poco más de reggae music, mermão!

Fernando Spuri disse...

Você, meu caro Júlio, que será novamente tragado pelo Rock.